amor

Amor, essência do caráter de Deus.

Não me sinto à vontade  para escrever sobre o amor. Paulo  o mencionou como  o “caminho mais excelente.”  Caminho de intensa  inspiração para todas  as artes e  ciências humanas. Mas até os ícones das ciências exatas, como Isaac Newton e Albert  Einstein ao buscarem, através da física, desvendar alguns mistérios do universo, concluíram que a existência das galáxias com seus incontáveis  e imensuráveis mundos, bem como as minúsculas e invisíveis parte da matéria como os  átomos, nêutrons protons e elétrons foram planejados, criados e mantidos por um Poder Inteligente que transcende a sua imensurável  criação.  Deus estabeleceu leis que com  precisão e  harmonia regem o universo. A gravidade, por exemplo,  é distribuída em percentuais matematicamente tão precisos para que cada astro tenha a sua órbita e não colida com outro astro provocando uma catástrofe  de conseqüências inimagináveis. Isso indica a existência de Um Ser não apenas Todo Poderoso, mas dotado de uma enorme sensibilidade, característica dos grandes artistas que somam a sua genialidade criativa à indescritível capacidade de amar. Não se pode medir ou  pesar os atributos de Deus: onipotência, onipresença, onisciência… O atributo maior da Divindade é aquele que é a essência do seu caráter. O Livro afirma: DEUS É AMOR.

Não precisamos ir longe para contemplar o amor de Deus. A Criação é o quadro e o poema  que expressam o amor de Deus para  com seus filhos. No quadro da criação constatamos a extensão e qualidade de nossa herança. O poema é o hino que acelera nossos passos e potencializa nossas forças até que alcancemos a sala do Grande Banquete onde será celebrada uma aliança definidora das porções de nossa herança de filhos.

O amor não é inerente à  natureza do homem, é um dom de Deus.

Há muitos credos, religiões e rituais prometendo revelar quem é Deus. Esforço humano inútil. A revelação , o conhecimento de Deus consegue-se através de um código ou senha, uma pequena   palavra: A M O R. “Aquele que  não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor” (I João  4.8). Que tipo de amor? Humano? Não! O amor tem que ter a mesma qualidade do amor de Deus. Nesse caso  nunca vamos conhecer a Deus. Não possuímos esse amor. Foi tudo um lindo sonho!  Resta-nos contemplar bem longe aquele mundo que nunca será nosso. Do próprio Deus vem o amor-provisão que nos levará a conhecê-Lo como Pai. “O amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” (Romanos 5.5). O Deus que é amor, encarnou-se na pessoa de Jesus Cristo, Seu Filho. Deus nos ofereceu como o presente maior, Seu Filho. “Deus amou o mundo (homem-humanidade) de  tal maneira que  DEU SEU FILHO…” (João 3.16).

Amor se manifesta em atitudes.

Uma simples atitude que impulsiona uma ação positiva como proteger e melhorar a qualidade de vida da família e vizinhos é, ainda que inconscientemente, amor. Os judeus acreditavam que Deus habitava no templo de Jerusalém.

Dois religiosos  que ministravam no templo: um sacerdote e um levita viram um homem caído e ferido à margem do caminho e passaram de largo. Um samaritano, discriminado pelos judeus como raça inferior, viu também o homem ferido. Mas não passou de largo. “Movido de íntima compaixão” socorreu o infeliz desconhecido. Isso é amor. “Deus é amor”. Então, não é em  templo  construído  pelo homem que Deus habita. Deus habita no coração de quem ama, mesmo sendo samaritano.

Sentenças que  não dizem tudo sobre o amor, mas dizem muito.

O amor, como a morte, muda tudo”

“O químico que pode extrair de seu próprio coração os elementos de compaixão, de respeito, de anelo, de paciência, de lamento, de  surpresa e de perdão , compondo-os em um só, pode criar aquele átomo que se chama amor”  (Kahlil Gibran).

“Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos” (João 15,13).

“No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo” (I João 4.18).

“Aonde quer que fores, irei eu, e onde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus” (Rute 1.16).

“As muitas águas não poderiam apagar o amor, nem os rios afogá-lo” (Cantares 8.7).

“Agora, pois, permanecem a fé, a esperança  e  o amor,  as três, mas a maior  destes é o amor” ( I Coríntios 13.13).

As virtudes  FÉ, ESPERANÇA  e AMOR  acompanham os filhos de Deus até os portais da Casa do Pai. Mas, em nossa eterna morada, somente uma entra: O AMOR !

Por Eli Dias de Melo